Feia ou bonita não interessa

Se fazes a tua própria orgonite, participas no gifting ou simplesmente se tiveste algum contacto com peças de aspecto menos formoso, é possível já te teres apercebido que a orgonite não quer saber se é feia ou bonita para ter o seu efeito.

Aqui estão algumas fotos das peças que fizémos durante a viagem de gifting às Canárias em 2013. Estávamos em casa da grande Maria Victoria em Lanzarote e os materiais foram o que encontrámos lá em casa ou na cidade – o resultado foi uma autêntica “orgonite de guerrilha” 😀

Apesar de ter este aspecto ela funciona perfeitamente e foi com este tipo de orgonite simples e básica que orgonizámos centenas de antenas espalhadas pelas 7 ilhas.
Um dos resultados foi o aumento da pluviosidade, tendo começado logo em Setembro, nos últimos dias da nossa viagem.

Tudo servia… copos de plástico, de papel. Claro os de papel ficavam agarrados mas também não faz mal.
Atenção que nem todo o plástico é adequado. Parece-me que o polipropileno (com as letras “PP” na base do objecto) é dos que funciona mas é questão de experimentar.

Chuva Nas Canárias

Victoria, a nossa colega das Canarias partilhou as suas impressões depois de mais de um ano desde o gifting e o seu testemunho pessoal demonstra bem o poder da orgonite para restaurar o equilíbrio. Está em espanhol mas penso que se percebe bem.

———

“Hola mis niños

Espero que os encontréis bien y llenos de nuevos proyectos.
Después de un año desde que habéis estado colocando orgonita, nos llega la lluvia intensamente que no se veía desde hace al menos que yo recuerde unos 30 años, aunque hay gente mayor que yo que dice que nunca habían visto llover tanto. Ha sido muy agradecida la lluvia ya que corrieron barrancos y se ha empapado bastante la tierra, y como esta isla es muy agradecida. El viento fue es que daño algo, pero no dada comparado con los beneficios de la lluvia.

Fijaros en el pagina facebook una fotografía de una nube que parece como si fuera un ovni, la verdad que algo extraña, apareció al principio de las lluvias que han durado dos semanas y aún chispea algo.

En Lanzarote unos días antes de las lluvias se veían desde los Cocoteros muchos chemtrails, y la verdad que me extraño mucho ya que hacía tiempo que no se veían tantos y ese mismo fin de semana comenzó a llover, jajaja !Que casualidad!. Si destacar que la zona de Lanzarote con mas lluvia ha sido el norte de la Isla, justo la que hemos trabajado más colocando orgonita, y mucho mas cerca de la Base militar de las Peñas del Chache.

Buenos mis niños

No quería dejar pasar esta ocasión de poder saludarlos y continuar con mi gratitud por lo que habéis echo por Canarias.

Un cordial saludo

Victoria”

———

Obrigado Victoria por teres feito a nossa campanha mais productiva e agradável 😉

P.S: aqui está uma notícia no El Pais que confirma as chuvas abundantes, desta feita na ilha de Gran Canaria http://www.eldiario.es/canariasahora/sociedad/lluvias-correr-barrancos-Gran-Canaria_0_326168112.html

Baleia Rorqual Branca em Lanzarote Setembro 2013

Durante a viagem de gifting às Canarias passámos por golfinhos no trajecto de barco Península-Canárias, sem ter chegado a gravar esse momento. Ficámos muito contentes com essa surpresa encorajadora. Consideramos os cetáceos como espécies muito desenvolvidas espiritualmente, inclusive os golfinhos são nossos parceiros de gifting pois pegam em orgonite largada no mar e vão colocá-la onde é mais precisa. Os cetáceos por vezes aparecem etéricamente nas sessões de chat – estas sessões são grupos que se juntam online para o envio de energia positiva. Nessas sessões os cetáceos juntam-se a nós para ajudar, normalmente a estragar os planos dos predadores (Nova Ordem Mundial, etc).

Este vídeo relata o aparecimento de uma Baleia Rorqual em Lanzarote, na altura da nossa viagem de gifting. Esta baleia era branca o que é muito raro naquela espécie. Normalmente avistamentos de cetáceos e outras “coincidências” positivas encontradas enquanto se toma uma acção positiva como o gifting são interpretadas como encorajadoras. Uma maneira do Criador nos dizer “sim, estás no bom caminho” 😉 Nós não chegámos a ver essa baleia mas é possível que estivesse curiosa com os nossos esforços de gifting. Quando os humanos deram a conhecer a orgonite aos cetáceos estes ficaram muito surpreendidos (a orgonite provavelmente foi-nos “dada” mas isso é outra história). Os cetáceos perceberam logo o seu potencial e desde então têm usado toda a orgonite que podem na cura de linhas e pontos energéticos oceânicos, assim como a desactivar instalações e equipamento subaquático dos predadores.

Não é por acaso que os sonares da marinha fazem mal a cetáceos. Esses sonares são conhecidos até por poder ferver a água se usados nas potências maiores. Apesar disto nós pensamos ser possível que a natureza multidimensional dos cetáceas implique que estes só são apanhados por estes sonares quando querem. Quando isto acontece é provavelemente um sacrifício por parte deles para chamar a nossa atenção a uma qualquer injustiça/desequilíbrio. Nós pensamos que a relação dos cetáceos em relação aos seus corpos físicos não é de apego. Apesar de serem mais evoluídos do que nós em vários aspectos não podemos estar à espera que sejam os cetáceos ou quaisquer outros a resolver os nossos problemas. O que nós temos de fazer é trabalhar em conjunto para livrar este planeta dos seus predadores e parasitas, coisa com a qual os cetáceos nos têm ajudado, enquanto espécies, desde os primórdios deste movimento desorganizado chamado “gifting”.

Vídeo “Giftendo Canarias 2013” Partes 3, 4 e 5

Continuação do vídeo sobre a operação de gifting às Ilhas Canárias de Agosto-Setembro 2013. O Fran teve algum tempo livre e conseguiu acabar mais 3 partes quase de uma vez. Não está ainda tudo mas pouco falta. Disfrutem 😉

Viagem de Gifting às Canárias 2013: Algumas Observações

Eu gostaria de começar por sublinhar uma coisa que disse ao Fran (de orgonita.eu) durante a viagem. Eu disse-lhe que se 1000 habitantes das Canárias revertessem uma torre cada um, provavelmente iam fazer mais dano à rede parasítica corporativa do que nós os dois e a nossa maratona de gifting. Independentemente destas grandes iniciativas (que neste caso combinaram a boa vontade e recursos de dezenas de pessoas para nos permitir cravar mais umas estacas no coração da besta) o sucesso deste movimento de gifting estaria provavelmente muito reduzido se não fossem os milhares de pessoas anónimas que tranquilamente vão conquistando a infra-estrutura mortífera da cabala internacional, quando e como os seus meios lhes permitem.

Planear é muito importante, especialmente quando se está constrangido de movimentos num arquipélago, mas eu acho que o Fran deu bem conta do recado. A importância da logística e planeamento vai inclusive à questão de “poupamos um pouco nos tomba-torres ou vamos largar a cada Km?). Chegámos até a ficar sem dinheiro uma vez e devemos muito à nossa anfitriã de Puerto de la Cruz, que nos ajudou na altura com precioso dinheiro para a gasolina e mantimentos.

Outra coisa que não se pode sobrestimar é a perserverança. Viagens como esta tentam maximizar o tempo disponível para que se reverta o maior número de alvos possível com a orgonite disponível. Foram feitas peças extra durante a viagem, uma vez que a nossa fome de orgonite era inesgotável 😀
Também é bom ter tantos condutores quanto possível. Nós só tínhamos o Fran – é uma grande façanha ele ter conduzido aqueles quilómetros todos.

Normalmente começávamos a meio da manhã e acabávamos quando já estava escuro. É impossível de fazer gifting a partir de um carro se não se consegue ver à distância. Portanto a noite era “tempo de ir à procura de sítio para dormir”. Metemo-nos em trabalhos um par de vezes por causa de acampar. Uma vez ficámos num sítio muito bonito num bosque das montanhas centrais de Gran Canaria mas o caminho era demasiado inclinado para o carro, que estava carregado… tivémos que o esvaziar, rezar e eu empurrava enquanto o Fran carregava no acelerador. Parece que foi por um fio que nos livrámos de ficar lá presos – é muito bom sentir a ajuda dos Operadores (espíritos benéficos) em alturas como esta 😊

Eu não estou a brincar quando chamo isto de maratona. Uma campanha de um mês desgasta e testa a pessoa tanto fisicamente como de outras maneiras. Também tem o seu quê de libertador porque tudo o que não está relacionado com o trabalho de gifting como que perde o interesse. Praticamente tudo o que se faz é giftar, comer, dormir, vira o disco e toca o mesmo. Claro, também vimos belas paisagens, conhecemos pessoas interessantes e com ideias comuns, e tivémos até umas mini-férias em Lanzarote, graças à nossa anfitriã e companheira de gifting Maria Victoria 😉

De modo geral não tivémos problemas nenhuns durante a viagem. Nada de peças do carro partidas, pelo menos nada essencial. No entanto o pobre “rapaz” (chamávamos “rapaz” ao carro) estava aos poucos com as peças de plástico e a electrónica a desfazerem-se em cacos. O motor esteve sempre bombar – é Mercedes ahah.

Os parasitas também não nos causaram mal nenhum. Don, Carol, Dooney e Stevo mantiveram-se a observar a nossa situação e também ajudaram muito através da via etérica, embora nós não nos apercebêssemos disso na altura. A Dooney relatou que eles sentiram que nós estávamos muito bem protegidos pelos nossos amigos Operadores.
Quando alguém agarra esta responsabilidade também há certas “benesses” que estão incluídas, uma delas é ter um alto nível de protecção das dimensões superiores – é óptimo estar na mesma “equipa” desses seres 😎

Provavelmente a altura que nós tivémos um situação mais apertada foi na Alfândega na Espanha Continental, antes de embarcarmos no navio que nos ia levar às Canárias. Eu acho que o Fran já contou esta história mas basicamente o homem encarregado de inspeccionar o carro achou muito estranho que nós estivéssemos a carregar tal quantidade de… material desconhecido. Depois de algumas explicações sobre o orgone e a força-vital nós oferecemos-lhe orgonite. Acontece que o agente da Alfândega até tinha preocupações com radiações electromagnéticas, portanto ele, contente, aceitou a nossa oferta e isso abriu-nos as portas para o embarque.